Hermes Aquino e a nuvem passageira

Eu trabalho no anexo de um ministério. Por vezes, tenho de ir para o prédio principal do ministério, passando por um corredor. Curiosamente, toda vez que passo pelo corredor, ouço a música Nuvem Passageira, de Hermes Aquino. Isso é perturbador…

A despeito disso, adoro essa canção. A letra, em especial, é um poema muito interessante. Achei a idéia de caçoar da própria efemeridae tão ousada quanto bem implementada.

Eu sou nuvem passageira que com o vento se vai,
eu sou como um cristal bonito que se quebra quando cai
Não adianta escrever meu nome numa pedra pois esta pedra em pó vai se transformar
Você não vê que a vida corre contra o tempo sou um castelo de areia na beira do mar
A lua cheia convida para um longo beijo mas o relógio te cobra o dia de amanhã
Estou sozinho, perdido e louco no meu leito e a namorada analisada por sobre o divã
Por isso agora o que eu quero é dançar na chuva
Não quero nem saber do que fazer, vou me matar
Eu vou deixar um dia a vida e a minha energia sou um castelo de areia na beira do mar…

Post Revisions:

There are no revisions for this post.

6 Comments

  1. Posted 24/10/2009 at 20:55 | Permalink

    Nossa, q coinciência ouvir sempre a mesma música, não?
    Agora imagina se fosse uma música chata ou ruim!

  2. Posted 25/10/2009 at 09:56 | Permalink

    Pois é, muita coincidência… mas tem razão, ainda bem que é essa música, hehe…

  3. Posted 25/10/2009 at 18:58 | Permalink

    Hum…

    Acontece isso no meu prédio. A questão é que as músicas se repetem nos mesmos horários por causa de uma academia que funciona nele.

    Quem sabe tem uma esteira ou uma bicicleta ergométrica dentro da sala. Tá certo que não combina muito com malhar, mas…

  4. Posted 26/10/2009 at 11:05 | Permalink

    Com essa música, só se for uma esteira com grama artificial e borboletinhas de papel penduradas como em móbile, para fingir que se está correndo por campos verdejantes! 😛

  5. Posted 27/11/2009 at 19:17 | Permalink

    Isso ainda continua?

  6. Posted 05/12/2009 at 22:24 | Permalink

    Não. Eu tomei a atitude adequada para evitar esse tipo de coisa: falei para algumas pessoas e fui, com elas, para lá. Pimba! nesse dia, não tocou. É incrível como isso sempre funciona contra fenômenos esquisitos.

    Abraços!

Post a Comment

Your email is never shared.

%d blogueiros gostam disto: